Com o cenário atual, em que o isolamento social tem sido adotado como principal medida para contenção da pandemia do novo Coronavírus, a funcionalidade foi adotada pela por proporcionar agilidade, segurança e conveniência. Com os registros eletrônicos, o tempo estimado para o processo cai cerca de 40%.

O registro digital foi permitido recentemente pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e o procedimento vem sendo regulamentado pelas corregedorias da Justiça.

Desde o início de abril, os cartórios já podem registrar todos os atos de forma eletrônica, mas a primeira escritura totalmente feita sem a presença do comprador e do vendedor foi realizada em Maio. Um imóvel no Leblon, Zona Sul, foi comercializado e registrado assim pela Loft, empresa recém-chegada ao Rio que usa tecnologia para facilitar a compra, reforma e venda de imóveis. A vendedora estava fora do Rio, e a escritura foi feita de forma online e a documentação ficou pronta no mesmo dia.

Além de São Paulo e Rio de Janeiro, outros estados como Santa Catarina, Paraná, Minas Gerais, Mato Grosso, Bahia, Tocantins e Rio Grande do Norte estão entre os que já regulamentaram os atos eletrônicos dos cartórios.

A identificação e a qualificação das pessoas que irão assinar a escritura ocorrem mediante uso de certificado digital ou apresentação dos documentos originais e vias escaneadas, que serão certificadas pelo tabelião e arquivadas digitalmente.